De 9 a 11 de maio de 2001

Organização: Santuza Naves Cambraia e Paulo Sérgio Duarte

 

Em maio de 2001, como encerramento da pesquisa de mesmo nome, o NUM realizou o Seminário Da Bossa Nova a Tropicália, no Teatro João Theotônio, da Universidade Candido Mendes. O evento, coordenado por Santuza Cambraia Naves e Paulo Sérgio Duarte, contou com o apoio da FAPERJ e com a participação de escritores, cantores, artistas e jornalistas, entre eles Arnaldo Jabor, Italo Moriconi, Ruy Castro, Sergio Cabral, Caetano Veloso, Roberto Menescal, Antonio Cicero, Susana Moraes e José Miguel Wisnik. O evento, de natureza acadêmica, foi concebido para um público de formação universitária que se interessa por temas relativos à canção popular brasileira e a questões culturais em geral. A abordagem multidisciplinar dos temas reflete a preocupação, por parte dos organizadores do seminário, de desenvolver uma reflexão sobre o lugar privilegiado que ocupa a música popular no Brasil como pólo para o qual convergem discussões literárias, políticas e filosóficas.

O seminário foi estruturado a partir de três módulos: Bossa nova, Pós-bossa nova e Tropicália. O primeiro módulo, realizado no dia 9 de maio de 2001, contou com três mesas: Transições para a bossa nova, Bossa nova: renovação estética e Bossa nova: convergências. Neste módulo, foram abordadas questões culturais referentes aos anos 50, que incluíram desde o desenvolvimento do samba-canção em sua versão requintada nas boates de Copacabana e o surgimento do estilo bossa-novista aos projetos construtivistas que grassaram na época, tanto na arquitetura e nas artes plásticas quanto na poesia. O segundo módulo (Pós-bossa nova), realizado no dia 10 de maio, tratou, em suas três mesas (Do intimismo ao excesso, A canção engajada e Festivais) das problemáticas culturais e musicais que surgiram no início dos anos 60, caracterizadas pelo rompimento com o intimismo da estética bossa-novista e pela emergência das questões políticas ao longo da década de 60. O terceiro módulo, intitulado Tropicália, realizado no dia 11 de maio, tematizou em suas três mesas (Tropicália: fronteiras textuais 1, Tropicália: fronteiras textuais 2 e Tropicália: fronteiras textuais 3), o componente crítico da estética tropicalista e as novidades introduzidas por esse movimento no cenário musical.

O seminário foi acompanhado de uma exposição que tematizou questões culturais desse período, exibindo fotos do Arquivo Nacional, cartazes de cinema do Museu de Arte Moderna e capas de discos representativos de vários momentos musicais da década de 1960. A ambientação da exposição foi inspirada nas instalações de Hélio Oiticica.

O evento foi encerrado como o show Nara, uma senhora opinião, com Chris Delano e Roberto Menescal. Nara Leão foi uma das personagens centrais desse período, pois ela acompanhou de perto o surgimento da bossa nova, participou mais tarde dos shows politizados do Teatro Opinião, em meados dos anos 60, atuando depois no movimento tropicalista, ao gravar uma faixa no LP Panis et Circensis.