Autoras: Maria Isabel Mendes de Almeida e Fernanda Eugenio

Ano: 2011

Resumo:
Este artigo debruça-se sobre transformações que vem se operando nos processos de profissionalização jovem pautados pela valorização do aprender-fazendo em detrimento da trajetória em “escalada” dos tradicionais ideais da carreira. Neste sentido, atribui-se uma especial atenção ao mecanismo do “virar” entre os jovens com os quais convivemos. Ou seja, um aprender enquanto se faz, fazer-aprender, aprendizado ininterrupto, fora de quadro, que acontece em simultaneidade com o exercício profissional. Ao lidar com o contemporâneo mundo do trabalho, os jovens pesquisados acionam um funcionamento que se aloca na própria tensão da solução contingente de um duplo desafio: extrair prazer da profissão e assegurar a estabilidade financeira. Vêem-se, assim, às voltas com um modo de operação “consequente”, que ganha contornos singulares dentro do contexto brasileiro. Destacam-se aqui os valores atribuídos à “iminência” e ao “acontecimento” como ingredientes no refazer incessante de uma “circunstância de imunidade” em relação aos enquadramentos duros ditados pelo mercado de trabalho.