Autora: Fernanda Eugênio

Ano: 2003

Resumo:
Reflexão acerca dos relatos de si em homepages de pessoas cegas, com intenção de compreender como os “cegos-narradores” constroem suas identidades pessoais, em meio a um complexo jogo de atribuições e aquisições. Os relatos dão conta de que a escolha da internet como veículo liga-se principalmente ao valor emocional assumido pelo recurso à informática na vida dessas pessoas. Através de softwares especiais, o mundo do letramento abre-se para o cego de modo mais intenso que no caso do braile. Tais narrativas de si, como outras “ilusões biográficas”, relatam “histórias de sucesso” de pessoas que, combinando o comum e o igual de modo particular e específico, se fizeram únicas. São histórias que se debatem entre determinação e agência, nas quais procura-se digerir e inventar sentido para dolorosas
experiências, procedendo ao árduo mas necessário trabalho de enquadramento da memória.